O Combate das Palavras e a Nova Propaganda, por Robert Fisk

Quem dera que todo o jornalismo de opinião, pesquisa e idoneidade fosse como o de Robert Fisk.
Boa leitura.

Bruno Piairo Teixeira

Têm acompanhado a semântica mais recente nos noticiários? O jornalismo e o governo israelense estão novamente em amores. É terror islâmico, terror turco, terror do Hamas, terror da jihad islâmica, terror do Hezbollah, terror activista, guerra ao terror, terror palestino, terror muçulmano, terror iraniano, terror sírio, terror anti-semita, …

Mas estou a fazer uma injustiça aos israelenses. O seu léxico, e o da Casa Branca – a maior parte do tempo – e o léxico dos nossos repórteres é o mesmo. Sim, sejamos justos para com os israelenses. O seu léxico anda assim: Terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror, terror.

Quantas vezes utilizei a palavra “terror”? Vinte. Mas poderiam bem ser 60, ou 100, ou 1000, ou um milhão. Estamos caídos de amor pela palavra, seduzidos por ela, fixados por ela, atacados por ela, assaltados por ela, violados por ela, comprometidos com ela. É amor e sadismo e morte em duas sílabas, a canção de fundo do horário nobre, a abertura de toda sinfonia na televisão, a manchete de todas as páginas, uma marca de pontuação no nosso jornalismo, um ponto e vírgula, uma vírgula, nosso mais poderoso ponto final. “Terror, terror, terror, terror”. Cada repetição justifica a sua antecessora.

Acima de tudo, é acerca do terror do poder e o poder do terror. Poder e terror tornaram-se intermutáveis. Nós jornalistas deixámos isto acontecer. A nossa linguagem tornou-se não apenas um aliado degradado, mas um parceiro verbal de pleno direito na linguagem de governos, exércitos, generais e armamento. Recordam o “destruidor de bunkers” (“bunker buster”) e o “destruidor de mísseis Scud” (“Scud buster”) e o “ambiente rico em alvos” na Guerra do Golfo (Parte Um)? Esqueça as “armas de destruição em massa” (WMD). Demasiado obviamente imbecil. Mas as “WMD” na Guerra do Golfo (Parte Dois) têm poder por si próprias, um código secreto – talvez genético, como o DNA – para alguma coisa que recolheria terror, terror, terror, terror, terror. “45 minutos de terror”.

O poder e os media não se limitam apenas a relações cómodas entre jornalistas e líderes políticos, entre editores e presidentes. Não se limitam apenas à relação osmótico-parasítica entre jornalistas supostamente honestos e o nexo de poder que flui entre a Casa Branca, o Departamento de Estado e o Pentágono, entre Downing Street, o Ministério dos Negócios Estrangeiros e o Ministério da Defesa, entre os EUA e Israel.

No contexto do Ocidente, o poder e os media consistem em palavras – e na utilização de palavras. Consiste em semântica. Consiste no emprego de frases e nas suas origens. E consiste no abuso da história, e da nossa ignorância da história. Cada vez mais, hoje em dia, nós jornalistas nos tornámos prisioneiros da linguagem do poder. Será porque já não nos importamos com a linguística ou a semântica? Será porque os computadores portáteis “corrigem” a nossa ortografia, “retocam” a nossa gramática de modo a que as nossas sentenças muitas vezes acabam por ser idênticas àquelas dos nossos dominadores? Será porque os editoriais dos jornais de hoje muitas vezes soam a discursos políticos?

Nas últimas duas décadas, as lideranças estado-unidenses e britânicas – e israelenses e palestinas – utilizaram as palavras “processo de paz” para definir o incorrigível, inadequado e desonroso acordo que permitiu aos EUA e Israel dominarem quaisquer bocadinhos de terra de um povo ocupado. Questionei esta expressão, e a sua proveniência, primeiro no tempo de Oslo – embora facilmente esqueçamos que as capitulações secretas em Oslo foram elas próprias uma conspiração sem qualquer base legal.

Pobre velha Oslo, sempre pensei. O que é que Oslo fez para merecer isto? Foi o acordo da Casa Branca que selou este tratado absurdo e dúbio – no qual refugiados, fronteiras, colonatos israelenses e mesmo calendários – estiveram a ser atrasados até que já não podiam mais ser negociados.

E quão facilmente esquecemos o relvado da Casa Branca – embora, sim, recordemos a imagens – sobre o qual era Clinton que citava o Corão e Arafat que preferiu dizer: “Obrigado, obrigado, obrigado, Sr. Presidente”. E o que chamámos a esta insensatez posteriormente? Sim, foi “um momento histórico”! Será que foi? Realmente?

Lembra-se o que Arafat chamou àquilo? “A paz dos bravos”. Mas não me recordo de ninguém a destacar que “paz dos bravos” foi a expressão utilizada pelo general De Gaulle perto do fim da guerra da Argélia. Os franceses perderam a guerra na Argélia. Nós não reconhecemos esta ironia extraordinária.

O mesmo agora, outra vez. Nós jornalistas ocidentais – utilizados mais uma vez pelos nossos mestres – temos estado a cobrir os nossos alegres generais no Afeganistão, a dizer que a sua guerra só pode ser ganha com uma campanha de “corações e mentes”. Ninguém lhes perguntou a questão óbvia: Não era esta a mesma frase utilizada em relação aos civis vietnamitas na Guerra do Vietname? E não perdemos nós – não o Ocidente – a guerra no Vietname? Mas agora nós jornalistas ocidentais estamos a utilizar – em relação ao Afeganistão – a frase “corações e mentes” nas nossas reportagens como se ela tivesse uma nova definição no dicionário, ao invés de ser um símbolo de derrota pela segunda vez em quatro décadas.

Olhe simplesmente para palavras individuais que recentemente adoptámos dos militares estado-unidenses. Quando nós ocidentais descobrimos que os “nossos” inimigos – a al-Qaida por exemplo, ou o Taliban – colocou mais bombas e efectuou mais ataques do que o habitual, chamamos a isso um “surto” (spike) de violência”.

Ah, sim, um “surto”! “Surto” é uma palavra utilizada pela primeira vez neste contexto, segundo meus ficheiros, por um general de brigada na Zona Verde de Bagdad em 2004. Mas agora nós utilizamos aquela frase, utilizamo-la a torto e a direito, enviamo-la para o ar como frase nossa, nossa invenção jornalística. Estamos a utilizar, literalmente, uma expressão criada para nós pelo Pentágono. Um surto, naturalmente, sobe agudamente e a seguir cai agudamente. Um “surto de violência” evita portanto a agourenta utilização das palavras “aumento na violência” – pois um aumento, naturalmente, pode não se reduzir posteriormente.

Agora, mais uma vez, quando generais estado-unidenses referem-se a um súbito aumento nas suas forças para um assalto a Faluja ou centro de Bagdad ou Kandahar – um movimento em massa de soldados levados a países muçulmanos às dezenas de milhares – eles chamam a isto um “surto”. E um surto, como um tsunami, ou qualquer outro fenómeno natural, pode ser devastador nos seus efeitos. Os que estes “surtos” realmente são – para utilizar as palavras reais do jornalismo sério – são reforços. E reforços são enviados para conflitos quando exércitos estão a perder guerras. Mas os rapazes e garotas da nossa televisão e jornais ainda estão a falar acerca de “surtos” sem qualquer qualificação. O Pentágono vence mais uma vez.

Entretanto, o “processo de paz” entrou em colapso. Portanto os nossos líderes – ou “actores chave” como gostamos de chamá-los – tentaram fazê-lo funcionar outra vez. O processo tinha de ser colocado “de volta aos trilhos”. Era um comboio, como se vê. As carruagens haviam descarrilado. A administração Clinton utilizou primeiro esta frase, a seguir os israelenses e então a BBC. Mas havia um problema quando o “processo de paz” foi repetidamente posto “fora dos trilhos” – e continuava ainda fora da linha. Assim, produzimos um “mapa da estrada” (“road map”) – dirigido por um Quarteto e liderado pelo velho Amigo de Deus, Tony Blair, que – numa obscenidade da história – nós agora mencionaremos como um “enviado da paz”. Mas o “mapa da estrada” não está a funcionar. E agora, percebo, o velho “processo da paz” está de volta aos nossos jornais e aos nossos écrans de televisão. E no mês passado, na CNN, um daqueles aborrecidos botas de elástico a quem os rapazes e garotas da TV chamam “peritos” contou-nos mais uma vez que o “processo de paz” estava a ser colocado “de volta aos trilhos” por causa da abertura de “conversações indirectas” entre israelenses e palestinos. Não se trata apenas de clichés – isto é um jornalismo ridículo. Não há qualquer batalha entre os media e o poder, através da linguagem nós, os media, tornaram-se extensões do poder.

Aqui está uma outra peça da covardia dos media que faz a minha dentadura de 63 anos crispar-se depois de comer homus [1] e tahine [ [2] durante 34 anos no Médio Oriente. Dizem-nos, em muitas análises jornalísticas, que no Médio Oriente temos de tratar com “narrativas competitivas”. Como é cómodo. Já não há justiça, nem injustiça, apenas um par de povos que conta estórias diferentes da história. “Narrativas competitivas” agora surgem regularmente na imprensa britânica.

A frase, vinda da falsa linguagem da antropologia, elimina a possibilidade de que um grupo de povos – no Médio Oriente, por exemplo – seja ocupado, enquanto outro está a fazer a ocupação. Mais uma vez, não há justiça, nem injustiça, nem opressão ou oprimido, apenas algumas amistosas “narrativas competitivas”, um campeonato de futebol, se quiser, um terreno de jogo nivelado porque os dois lados estão – não estão? – “em competição”. E aos lados tem de ser dado tempo igual em toda estória.

Dessa forma, uma “ocupação” torna-se uma “disputa”. Portanto uma “muralha” torna-se uma “protecção” ou “barreira de segurança”. Então os actos israelenses de colonização da terra árabe, contrários a todo direito internacional, tornam-se “colonatos” (“settlements”) ou “postos avançados” (“outposts”) ou “vizinhanças judias”. Foi Colin Powell, no seu estrelato, a sua aparição impotente como secretário de Estado de George W. Bush, que recomendou aos diplomatas dos EUA que se referissem à terra palestina ocupada como “terra disputada” – e isso foi bastante bom para a maior parte dos media dos EUA. Não havia “narrativas competitivas”, naturalmente, entre os militares estado-unidenses e o Taliban. Quando houver, você saberá que o Ocidente perdeu.

Mas vou dar um exemplo de como “narrativas competitivas” acabaram desfeitas. Em Abril, fiz uma palestra em Toronto para assinalar o 95º aniversário do genocídio arménio de 1915, o deliberado assassinato em massa de 1,5 milhão de arménios cristãos pelo exército e a milícia dos turcos otomanos. Antes da minha palestra, fui entrevistado pela televisão canadiana, CTV, a qual também é dona do jornal Globe and Mail, de Toronto. E desde o princípio pude ver que o entrevistador tinha um problema. O Canadá tem uma vasta comunidade arménia. Mas Toronto também tem uma vasta comunidade turca. E os turcos, como o Globe and Mail sempre nos diz, “contestam acaloradamente” que isto tenha sido um genocídio.

Assim, o entrevistador chamou ao genocídio “massacres mortais”. Naturalmente, reconheci o seu problema específico de imediato. Ela não podia chamar os massacres de “genocídio”, porque a comunidade turca seria ultrajada. Mas ela percebia que “massacres” em si mesmo – especialmente com as pavorosas fotografias de arménios mortos no fundo do estúdio – não era inteiramente adequado para definir o assassínio de um milhão e meio de seres humanos. Portanto os “massacres mortais”. Como é estranho! Se há massacres “mortais”, haverá alguns massacres que não sejam “mortais”, dos quais as vítimas saiam vivas? Era uma tautologia ridícula.

Mas a utilização da linguagem do poder – das suas palavras guia e da suas frases guia – ainda continua entre nós. Quantas vezes ouvi repórteres ocidentais falarem acerca de “combatentes estrangeiros” no Afeganistão? Eles estão a referir-se, naturalmente, aos vários grupos árabes supostamente a ajudar o Taliban. Ouviamos a mesma estória no Iraque. Combatentes sauditas, jordanos, palestinos, chechenos, naturalmente. Os generais chamaram-nos “combatentes estrangeiros”. Imediatamente, nós repórteres ocidentais fizemos o mesmo. Chamá-los “combatentes estrangeiros” significava que eles eram uma força invasora. Mas jamais ouvi – desde sempre – uma estação de televisão ocidental referir-se ao facto de que há pelo menos 150 mil “combatentes estrangeiros” no Afeganistão e que acontece todos eles estarem a envergar uniformes americanos, britânicos e de outros países da NATO. É que “nós” é que somos os “combatentes estrangeiros” reais.

Analogamente, a frase perniciosa “Af-Pak” – tão racista quanto é politicamente desonesta – é agora utilizada pelos repórteres, embora originalmente tenha sido uma criação do Departamento de Estado no dia em que Richard Holbrooke foi nomeado representante especial dos EUA para o Afeganistão e o Paquistão. Mas a frase evita a utilização da palavra “Índia” – cuja influência no Afeganistão e cuja presença no Afeganistão é uma parte vital da estória. Além disso, “Af-Pak” – ao eliminar a Índia – eliminou efectivamente toda a crise da Cachemira do conflito no Sudeste da Ásia. Portanto privou o Paquistão de qualquer palavra na política local dos EUA sobre a Cachemira – afinal de contas, Holbrook foi tornado o enviado “Af-Pak”, proibido especificamente de discutir a Cachemira. Portanto a frase “Af-Pak”, que esvazia totalmente a tragédia da Cachemira – talvez demasiadas “narrativas competitivas”? – significa que quando nós jornalistas utilizamos a mesma frase, “Af-Pak”, a qual certamente foi criada para nós jornalistas, estamos a fazer o trabalho do Departamento de Estado.

Agora vamos olhar a história. Nossos líderes amam a história. Acima de tudo, amam a Segunda Guerra Mundial. Em 2003, George W. Bush pensava que era Churchill. É verdade que Bush havia passado a Guerra do Vietname a proteger os céus do Texas do Vietcong. Mas agora, em 2003, ele erguia-se contra os “apaziguadores” que não queriam uma guerra com Saddam o qual era, naturalmente, “o Hitler do Tigre”. Os apaziguadores foram os britânicos que não queriam combater a Alemanha nazi em 1938. Blair, naturalmente, também tentou vestir o colete e o casaco de Churchill para a ocasião. Ele não era “apaziguador”. A América era a mais antiga aliada britânica, proclamou ele – e tanto Bush como Blair recordaram aos jornalistas que os EUA haviam lutado ombro a ombro com a Grã-Bretanha na sua hora de aflição em 1940.

Mas nada disto era verdadeiro. O mais antigo aliado da Grã-Bretanha não eram os Estados Unidos. Era Portugal, um estado fascista neutro durante a Segunda Guerra Mundial, o qual arvorou as suas bandeiras nacionais a meio mastro quando Hitler morrer (mesmo os irlandeses não fizeram isso).

Nem tão pouco a América combateu junto à Grã-Bretanha na sua hora de aflição em 1940, quando Hitler ameaçava invasão e a Luftwaffe atacava Londres. Não, em 1940 a América estava a desfrutar um muito lucrativo período de neutralidade e não se juntou à Grã-Bretanha na guerra até o Japão ter atacado a base naval de Pearl Harbour em Dezembro de 1941. Analogamente, remontando a 1956, Eden chamou Nasser de “o Mussolini do Nilo”. Um erro grosseiro. Nasser era amado pelos árabes, não odiado como Mussolini pela maioria dos africanos, especialmente os árabes líbios. O paralelo Mussolini não foi desafiado ou questionado pela imprensa britânica. E todos nós sabemos o que aconteceu no Suez em 1956. Quando se chega à história, nós jornalistas deixamos os presidentes e primeiros-ministros usarem-nos como cavalgaduras.

Mas o lado mais perigoso da nossa nova guerra semântica, nossa utilização das palavras do poder – embora não seja uma guerra, uma vez que nos rendemos completamente – é que isso nos isola dos nossos espectadores e leitores. Eles não são estúpidos. Eles entendem palavras em muitos casos – receio – melhor do que nós. E também de História. Eles sabem que estamos a retirar o nosso vocabulário da linguagem de generais e presidentes, das assim chamadas elites, da arrogância dos peritos do Brookings Institute, ou aqueles da Rand Corporation. Portanto temos de nos tornar parte desta linguagem.

Nas últimas duas semanas, quando estrangeiros – humanitários ou “terroristas activistas” – tentaram levar alimentos e remédios por via marítima para os famélicos palestinos de Gaza, nós jornalistas deveríamos ter estado a recordar aos nossos espectadores e ouvintes de um tempo remoto em que a América e a Grã-Bretanha correram em ajuda de um povo cercado, trazendo-lhe alimentos e combustível para ajudar uma população faminta. Aquela população fora cercada por uma protecção erguida por um exército brutal o qual pretendia reduzir o povo à submissão. O exército era russo. A cidade era Berlim. O muro estava para vir mais tarde. O povo havia sido nosso inimigo apenas três anos antes. Mas nós fizemos a ponte aérea para Berlim a fim de salvá-los. Agora olhemos para a Gaza de hoje: qual jornalista ocidental – uma vez que amamos paralelos históricos – alguma vez mencionou Berlim 1948 no contexto de Gaza?

Mas ao invés disso, o que é que tivemos? “Activistas” que se transformaram em “activistas armados” no momento em que se opuseram à abordagem do exército israelense. Como ousam estes homens transtornar o léxico? A sua punição foi óbvia. Eles tornaram-se “terroristas”. E os raids israelenses – nos quais foram mortos “activistas” (outra prova do seu “terrorismo”) – tornaram-se então raids “mortais”. Neste caso, “mortal” era mais desculpável do que fora na CTV – nove mortos de origem turca sendo ligeiramente menos do que um milhão e meio de arménios assassinado em 1915. Mas era interessante que os israelenses – que por suas próprias razões políticas haviam até agora vergonhosamente corroborado a negação turca – agora subitamente quisessem informar o mundo do genocídio arménio de 1915. Isto provocou uma compreensível tensão entre muitos dos nossos colegas. Jornalistas que regularmente omitiam qualquer menção ao primeiro Holocausto do século XX – a menos que se pudessem referir também ao modo como os turcos “contestam acaloradamente” a etiqueta genocida (logo, o Globe and Mail de Toronto) – subitamente podiam referir-se a isto. A recem encontrado interesse histórico de Israel tornava o assunto legítimo, embora quase todas as reportagens fizessem por evitar qualquer explicação do que realmente aconteceu em 1915.

E no que se tornou o raid marítimo israelense? Tornou-se um raid “mal feito” (“botched”). Mal feito é uma linda expressão. Ela teve origem numa palavra do inglês medieval de origem germânica, a qual significava “reparar toscamente”. E nós mantivemos mais ou menos aquela definição até que os nossos conselheiros do léxico jornalístico mudaram o seu significado. Escolares “botch” um exame. Podíamos “botch” uma peça de costuma, uma tentativa de reparar uma peça de material. Mas não podíamos “botch” uma tentativa de persuadir o nosso padrão a dar-nos um aumento. Mas agora nós “botch” uma operação militar. Não foi um desastre. Não foi uma catástrofe. Apenas matou alguns turcos.

Assim, dada a má publicidade, os israelenses apenas “botched” o raid. De modo estranho, ultimamente repórteres e governos utilizaram esta palavra particular a seguir à tentativa de Israel de matar o líder do Hamas, Khaled Meshaal, nas ruas de Aman. Neste caso, assassinos profissionais de Israel foram apanhados depois de tentarem envenenar Meshaal, e o rei Hussain obrigou o então primeiro-ministro israelense (um certo B. Netanyahu) a providenciar um antídoto (e a deixar um bocado de “terroristas” do Hamas fora do cárcere). A vida de Meshaal foi salva.

Mas para Israel e os seus obedientes jornalistas ocidentais isto tornou-se um “atentado botched” contra a vida de Meshaal. Não porque não estivesse destinado a morrer, mas porque Israel fracassou em matá-lo. Portanto você pode “botch” uma operação matando turcos – ou você pode “botch” uma operação não matando um palestino.

Como podemos romper com a linguagem do poder? Ela certamente mata-nos. Esta, suspeito, é uma razão porque os leitores se afastaram da imprensa dita “de referência” em favor da Internet. Não porque a net seja livre, mas porque os leitores sabem que lhes mentem e são enganados; sabem que o que assistem e o que lêem em jornais é um prolongamento do que ouviram do Pentágono ou do governo israelense, que as nossas palavras tornaram-se sinónimo da linguagem aprovado por um governo, o cuidadoso meio termo, o qual obscurece a verdade tão certamente como nos fazem nossos aliados políticos – e militares – de todos os principais governos ocidentais.

Muitos dos meus colegas em vários jornais ocidentais acabariam por arriscar os seus empregos se fossem desafiar constantemente a falsa realidade das notícias jornalísticas, o nexo de poder media-governo. Quantas organizações noticiosas pensaram apresentar , no momento do desastre de Gaza, filmes da ponte aérea para romper o bloqueio de Berlim? Será que a BBC o fez?

Para o inferno que o tenham feito! Preferimos “narrativas competidoras”. Os políticos não queriam – eu disse isso na reunião de Doha a 11 de Maio – que a viagem a Gaza alcançasse o seu destino, “fosse o seu fim um êxito, uma farsa ou uma tragédia”. Nós acreditamos no “processo de paz”, no “mapa da estrada”. Em manter a “protecção” em torno dos palestinos. Deixem os “actores chave” destrinçarem isto. E recordem do que trata tudo isto: “Terror, terror, terror, terror, terror, terror.”

1- Homus: prato libanês, pasta de grão-de-bico com óleo de gergelim
2- Tahine: Gergelim

O original encontra-se em The Independent.

Este artigo encontra-se em Resistir.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s

%d bloggers like this: